Censo de Instituições Envolvidas com Astronomia em Sergipe (2019)

Destacado

Bandeira de Sergipe
Mapa de Sergipe com as mesorregiões

INSTITUIÇÕES/GRUPOS/PROJETOS CATALOGADOS EM SERGIPE:
– Astrofotografia Amadora de Sergipe (AAS)
– Astrofotógrafos Amadores do Espaço (AfAE)
–Astrofotografia Sergipe (AfS)
– Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju – Galileu Galilei (CCTECA – Galileu Galilei)
– Clube Dorense de Astronomia – Órion (CDA – ÓRION)
– Clube de Astronomia do Instituto Federal de Sergipe – Campus de Lagarto (CAILA)
– Clube de Astronomia do CODAP – UFS
– Grupo de Astronomia Singularidade (GAS)
– Grupo de Astrofísica da UFS (ASTROUFS)
– Grupo de Astronomia Johannes Kepler (GAJK)
– Grupo de Eventos Astronômicos de São Cristóvão (GEASC)
– Physics Solutions Júnior (PhysicS Jr.)
– Projeto Astrofotografia Alternativa
– Projeto Astronomia do IFS de Estância (AstroIFS)
– Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe (SEASE)
– Tardis – Clube de Astronomia de Estância (Tardis – CAE)
– Observatório Scorpio*

*Não chegou exercer atividade. O projeto foi descontinuado (hibernado) antes de ser inaugurado por falta de recursos. Há expectativa de um retorno no futuro.

1 – CATALOGAÇÃO

1.1  – INSTITUIÇÕES/GRUPOS/PROJETOS CATALOGADAS: 17

Ativas: 14 (82,35%)

SEASE; Clube de Astronomia do CODAP – UFS; CCTECA – Galileu Galilei; CDA – ÓRION; AfS; ASTROUFS; CAILA; Projeto Astrofotografia Alternativa; PhysicS Jr; Tardis – CAE; GEASC; AfAS; GAS; AfAE.

Inativas: 01 (5,88%)

Observatório Scorpio

Extintas: 02 (11,76%)

GAJK; AstroIFS

BASE PARA LEVANTAMENTO (ativas + inativas): 15

Ativas: 14 (93,33%)

Inativas: 01 (6,66%)

1.2 – LOCALIZAÇÃO:

Número de Municípios na UF: 75

Municípios com instituições/equipamentos ativos + inativos: 5 (6,66% do Total)

Aracaju: SEASE; CCTECA – Galileu Galilei; AfS;  AfAS; GAS;

São Cristóvão: Clube de Astronomia do CODAP – UFS; ASTROUFS; PhysicS Jr; GEASC;

Nossa Senhora das Dores: Observatório Scorpio; CDA – Órion; AfAE; Projeto Astrofotografia Alternativa;

Estância: Tardis – CAE;

Lagarto: CAILA;

Concentração de instituições/equipamentos

Capital: 5 (33,33%)

Outras cidades: 10 (66,66%)

2 – DISTRIBUIÇÃO

2.1 – DISTRIBUIÇÃO NAS MESORREGIÕES (IBGE 1989) :

– Sertão Sergipano – 0 (0,00%)
– Agreste Sergipano – 5 (33,33%)
– Leste Sergipano – 10 (66,66%)

2.2 – DISTRIBUIÇÃO NAS REGIÕES GEOGRÁFICAS INTERMEDIÁRIAS (IBGE 2017) :

– Aracaju – 14 (93,33%)
– Itabaiana – 1 (6,66%)

3 – TIPOS

OBSERVATÓRIOS: 1 (6,25%)

Observatório Scorpio

PLANETÁRIOS*: 1 (6,25%)

CCTECA – Galileu Galilei

ASSOCIAÇÕES**: 11 (68,75,33%)

SEASE; Clube de Astronomia do CODAP – UFS; CDA – ÓRION; AfS; ASTROUFS; CAILA; Tardis – CAE; GEASC; AfAS; GAS; AfAE.

PROJETOS***: 1 (6,25%)

Projeto Astrofotografia Alternativa

OUTROS*: 2 (12,50%)

PhysicS Jr, CCTECA – Galileu Galilei

*A CCTECA – Galileu Galilei, além de possuir um planetário é também um museu de ciência com painéis astronômicos distribuídos pela casa e uma sala de astronomia. Assim, será duplicado a contagem dela neste tópico e em tópicos secundários a este. Dessa forma, serão contados 16 tipos ao invés de 15.

**O Clube de Astronomia do CODAP foi classificado como associações, no entanto também trata-se de um projeto do CODAP. O mesmo acontece com o CAILA, o GAS e outros. O extinto GAJK também foi um grupo de Astronomia.

***Esta categoria foi considerada apenas os que são puramente projetos sem criação de grupo ou clube de astronomia. O extinto AstroIFS foi um projeto de astronomia com criação de um grupo, assim como o sucessor dele o “Tardis”.

4 – ESCOLAS PARTICIPANTES DA OBA

Municípios: 27  de 75 (36,00% do total)

Aracaju: (30 de 410) Col. Arquidiocesano S. C. de Jesus; Colégio Patrocínio de São José; Colégio Estadual Jackson de Figueiredo; Colégio Michellangelo; Colégio Bom Pastor; Colégio Cepi expansão; Colégio de Ciências Pura e Aplicada; EMEF Jornalista Orlando Dantas; CE Atheneu Sergipense; COC Colégio São Paulo; Colegio Amadeus; CAIC Ministro Geraldo Barreto Sobral; Colégio Esplendor; Centro de Excelência Master; CE Prof Gonçalo Rollemberg Leite; Colégio Estadual Barão De Mauá; CE Tobias Barreto; Col. Arquidiocesano Sagrado Coração de Jesus; Escola Sesc Siqueira Campos; Col. E Secretário Francisco Rosa Santos; Colégio Jardins; Colegio Hoje; Centro de Excelência Professora Maria Ivanda de Carvalho Nascimento; Colégio Módulo; Centro de Excelência Dom Luciano José Cabral Duarte; Colégio do Salvador; Instituto Federal de Sergipe; COESI – Colégio de Orientação e Estudos Integrados; JFGG e Cia; Colégio CEA.

Areia Branca: (2 de 28) Colégio Estadual Pedo Diniz Gonçalves; Col Estadual Gov João Alves Filho.

Boquim: (5 de 46) Col. José Fernandes da Fonsêca; Colégio Estadual Severiano Cardoso; CE Cleonice Soares da Fonseca; EM Maria da Glória Barreto de Andrade; EM Dep. Joaldo Barbosa.

Carira: (23 de 57) Escola Municipal Isauro Soares; Escola Municipal Professora Maria Esmeralda Costa; Escola Municipal Maria Eunice Vieira; Escola Municipal Professora Maria Rabelo de Morais; Escola Municipal Maria Neuza Alves Chagas; Escola Municipal José Oliveira Barreto; Escola Municipal Escritor João Rabelo de Morais; Escola Municipal José Monteiro Filho; Escola Municipal Luzia de Andrade Alves; Escola Municipal Senhor do Bonfim; Escola Municipal Padre Raul Bonfim Borges; Escola Municipal Julio Francisco de Souza; Escola Municipal Laudelino Freire; Escola Municipal Protestato Francisco dos Santos; Escola Municipal Durval Matos; Educação de Jovens e Adultos do Ensino Fundamental; Escola Municipal Manoel Pereira Dorea;  EM Maria Neuza Machado Silva; Escola Municipal Tobias Barreto; Escola Municipal Aroaldo Chagas; Escola Municipal Prof. Maria da Glória Menezes; EM Prof Ilda Almeida Dutra; Escola Municipal Rui Barbosa.

Estância: (3 de 102) Escola De Ensino Fundamental E Médio João Batista Da Rocha; Escola Municipal Nubia Lima Do Nascimento; Instituto Federal de Sergipe – Campus Estância.

Frei Paulo: (3 de 29) Colégio Estadual Gentil Tavares da Mota; Escola de Aplicação Sagrado Coração de Jesus; Colégio Estadual Martinho Garcez.

Itabaiana: (1 de 115) Escola Estadual Prof. Nestor Carvalho Lima.

Japoatã: (1 de 33) Colégio Estadual Professora Roberta Ramalho de Souza.

Lagarto: (9 de 150) Instituto Federal De Sergipe – Campus Lagarto; Colégio José Augusto Vieira; EM José Antônio dos Santos; EM Antonio Francisco de Souza; CE Prof. Abelardo Romero Dantas; EM Eliezer Porto; EE Senador Leite Neto; Colegio estadual prefeito pedro de balbino; Colégio Estadual Silvio Romero.

Malhada do Bois: (1 de 10) Colegio Estadual Emiliano Guimarães.

Moita Bonita: (2 de 21) CE Djenal Tavares de Queiroz; Colégio Estadual Profª Maria Da Glória Costa.

Monte Alegre de Sergipe: (1 de 35) Colégio Estadual José Inácio de Farias.

Muribeca: (1 de 15) Instituto Educar.

Neópolis: (1 de 33) Centro de Excelência Marechal Pereira Lobo.

Nossa Senhora da Glória: (2 de 73) IF de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe; Colégio Rezende Ltda – Me.

Nossa Senhora de Lourdes: (1 de 18) Colégio Estadual Monsenhor Fernando Graça Leite.

Nossa Senhora do Socorro: (3 de 148) Centro de Excelência Deputado Jonas Amaral; SESC AR/SE Aline Pinto; Colégio CEME LTDA.

Pacatuba: (1 de 44) Colégio Estadual Dr Leandro Maciel.

Pirambu: (1 de 16) Colégio Estadual José Amaral Lemos.

Poço Verde: (2 de 62) EE Sebastião da Fonseca; Colégio Estadual Professor João de Oliveira.

Riachuelo: (4 de 18) Escola Municipal D. Pedro I; Escola Municipal Francisco Leite Filho; Escola Municipal Poeta Santo Sousa; Escola Municipal Jose Araujo.

Ribeirópolis: (6 de 42) EE Professora Maria Do Carmo Santos; Centro de Educação Básica Auxiliadora Paes Mendonça; CE João XXIII; Escola Estadual Deputado Baltazar Santos; Colégio Paraíso Cultural;  EE Abdias Bezerra.

Salgado: (1 de 49) EM José Gonçalves Filho.

São Cristóvão: (3 de 92) Esc. Capitão Manoel Batista Santos; CE Professor Hamilton Alves Rocha; Colégio de Aplicação da UFS.

São Domingos: (1 de 27) Senninha Centro Educcional.

Simão Dias: (5 de 87) Escola Municipal Maria Rabelo Barreto; Escola Municipal Otaviana Odillia Da Silveira; EM Gervásio de Carvalho Prata; Colégio Estadual Senador Lourival Baptista;  Escola Municipal Cícero Ferreira Guerra.

Umbaúba: (4 de 40)Escola São Salvador; EMEF Adelvan Cavalcanti Baptista; CE Dr Antônio Garcia Filho; Colégio Estadual Benedito Barreto do Nascimento.

Escolas: 117 de 3239* (3,61% do total de escolas de Sergipe)

Escolas dos municípios participantes: 117 de 1800 (6,50% do total de escolas dos municípios participantes)

* Todas as escolas de Sergipe do Censo Escolar 2018 de acordo com o QEdu.

5 – OBSERVATÓRIOS

PRIVADOS – 1 (100%)
PÚBLICOS – 0 (0%)

5.1 – PRIVADOS
Pessoais: 1 (100%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

5.2 – PÚBLICOS
Governo Municipal: 0 (0%)
Governo Estadual: 0 (0%)
Governo Federal: 0 (0%)
Universidade Federal: 0 (0%)
Universidade Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)

6 – PLANETÁRIOS

PRIVADOS – 0 (0%)
PÚBLICOS – 1 (100%)

FIXOS – 1 (100%)
MÓVEIS – 0 (0%)

6.1 – FIXOS

PRIVADOS:
Pessoais: 0 (0%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

PÚBLICOS:
Gov. Municipal*: 1 (100%)
Gov. Estadual: 0 (0%)
Gov. Federal: 0 (0%)
Univ. Federal: 0 (0%)
Univ. Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

*  A CCTECA Galileu Galilei está vinculada à  Secretaria da Educação do Município de Aracaju (SEMED). Mas, foi um projeto piloto do Governo Federal que visa instalar centros de estímulos e divulgação científica e tecnológica em todo o país.Em Sergipe o projeto foi financiado através do Ministério da Ciência e Tecnologia em parceria com a Prefeitura Municipal de Aracaju, através do órgão SEPLAN e com a consultoria da Universidade Federal de Sergipe.

6.2 – MÓVEIS

PRIVADOS:
Pessoais: 0 (0%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

PÚBLICOS:
Gov. Municipal: 0 (0%)
Gov. Estadual: 0 (0%)
Gov. Federal: 0 (0%)
Univ. Federal: 0 (0%)
Univ. Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

7 – ASSOCIAÇÕES*

PRIVADAS – 6 (54,55%)

SEASE; CDA – ÓRION; AfS; GEASC; AfAS; AfAE.

PÚBLICAS – 5 (44,45%)

Clube de Astronomia do CODAP – UFS; ASTROUFS; CAILA; GAS; Tardis – CAE.

7.1 – PRIVADAS (VÍNCULOS)

Pessoais: 6 (100%)

SEASE; CDA – ÓRION; AfS; GEASC; AfAS; AfAE.


Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

7.2 – PÚBLICAS (VÍNCULOS):

Escola Municipal: 0 (0%)
Escola Estadual: 1 (20%)

GAS

Escola Federal: 1 (20%)

Clube de Astronomia do CODAP – UFS

Universidade Federal: 1 (20%)

ASTROUFS

Universidade Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 2 (40%)

CAILA; Tardis – CAE.

Outros: 0 (0%)

8 – PROJETOS

PRIVADOS– 0 (100%)

PÚBLICOS* – 1 (100%)

Projeto Astrofotografia Alternativa;

*O Astrofotografia Alternativa é uma criação privada por David Maia (aluno do CEGC na época), mas que na maior parte do tempo esteve vinculado a projetos aprovados pelo o Colégio Estadual General Calazans/Nª Sª das Dorese-SE para participar de feiras de ciência sob coordenação e orientação do Professor Nilson Santos, intitulado: Projeto Astrofotografia Alternativa.

8.1 – PRIVADOS (VÍNCULOS):

Pessoais: 0 (0%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

8.2 – PÚBLICOS (VÍNCULOS):

Escola Municipal: 0 (0%)
Escola Estadual: 1  (100%)

Projeto Astrofotografia Alternativa

Escola Federal: 0 (0%)
Universidade Federal: 0 (0%)
Universidade Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

9 – OUTROS :

MUSEUS* – 1  (50%)

CCTECA – Galileu Galilei;
LABORATÓRIOS – 0 (0%)
OUTROS – 1 (50%)

Physics Jr.

PRIVADOS – 1 (50%)
PÚBLICOS – 1 (50%)

* A CCTECA – Galileu além de possuir um planetário também possui um museu de ciência que inclui conteúdo de astronomia. Ver tópico 3.

9.1 – PRIVADOS (VÍNCULOS):

Pessoais: (0%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

9.2 – PÚBLICOS (VÍNCULOS):

Escola Municipal: 0 (0%)
Escola Estadual: 0 (0%)
Escola Federal: 0 (0%)
Universidade Federal: 1 (50%)

Physics Jr.

Universidade Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)
Outros: 1 (50%)

            CCTECA – Galileu Galilei

10 – CRONOLOGIA DE SURGIMENTO CONFORME AS DÉCADAS:

até séc. XIX – 0
1900 – 0
1910 – 0
1920 – 0
1930 – 0
1940 – 0
1950 – 0
1960 – 0
1970 – 0
1980 – 0
1990 – 1  

GAJK: 08/10/93—10/11/2001 (extinto)

2000 – 5

SEASE: 10/11/2001 — Atual;

Clube de Astronomia do CODAP – UFS: 26/06/2007— Atual;

CCTECA – Galileu Galilei: 22/03/2009 –- Atual;

CDA – ÓRION: 26/08/2009 –- Atual;

AfS: 04/12/2009—Atual

2010 – 11

ASTROUFS:~2012—Atual;

CAILA: 17/02/2013—Atual;

AstroIFS: 06/03/2015 — ~2017 (extinto);

Observatório Scorpio:~2015 — ~2016 (inativo);

Projeto Astrofotografia Alternativa: ~2015—Atual;

PhysicS Jr.: 01/09/2016—Atual;

Tardis – CAE: 08/06/2017—Atual;

GEASC: 07/01/2017—Atual;

AfAS: 24/01/2017—Atual;

GAS: 16/05/2017—Atual;

AfAE: 04/02/2019—Atual;

Total: 17

Fontes de busca:

– Site da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA)

– Facebook – busca geral

–  QEdu

–  GAEA

–  Memórias da Astronomia em Sergipe (MAS)

Autores do levantamento:
– Jaelsson S. Lima
– Memórias da Astronomia em Sergipe (MAS)

Versão PDF: Censo de Instituições Envolvidas com Astronomia em Sergipe (2019)

______________________________________________________________________

Texto: Elaborado por MAS

Fontes: CENSO BRASILEIRO DE INSTITUIÇÕES ASTRONÔMICAS EDIÇÃO 2018 – RESULTADO GERAL. Disponível emhttp://gaea-astronomia.blogspot.com/2018/05/censo-brasileiro-de-instituicoes_30.html  , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 14/12/2019:  https://web.archive.org/web/20191215014033/http://gaea-astronomia.blogspot.com/2018/05/censo-brasileiro-de-instituicoes_30.html ).

Censo Brasileiro de Instituições Astronômicas – SERGIPE (2018). Disponível em: http://gaea-astronomia.blogspot.com/2018/05/censo-brasileiro-de-instituicoes_24.html  , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 14/12/2019:  https://web.archive.org/web/20190426215802/http://gaea-astronomia.blogspot.com/2018/05/censo-brasileiro-de-instituicoes_24.html ).

Lista completa de escolas, cidades e estados. QEdu. Disponível em: https://www.qedu.org.br/busca/126-sergipe, acesso em 20 Jan. 2020. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 20/01/2020: https://web.archive.org/web/20190214090107/https://qedu.org.br/busca/126-sergipe).

Escolas Participantes OBA e MOBFOG. OBA. Disponível em: http://www.oba.org.br/site/index.php?p=conteudo&idcat=7&pag=conteudo&acao=pesquisa&codigo=&nome=&cidade=&uf=SE&bairro=, acesso em 20 Jan. 2020. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 20/01/2020: https://web.archive.org/web/20200120034056/http://www.oba.org.br/site/index.php?p=conteudo&idcat=7&pag=conteudo&acao=pesquisa&codigo=&nome=&cidade=&uf=SE&bairro=).

Região Geográfica Intermediária de Itabaiana. IBGE 2017. Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Geogr%C3%A1fica_Intermedi%C3%A1ria_de_Itabaiana, acesso em 20 Jan. 2020. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 20/01/2020: https://web.archive.org/web/20200120034357/https://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Geogr%C3%A1fica_Intermedi%C3%A1ria_de_Itabaiana).

Região Geográfica Intermediária de Aracaju. IBGE 2017. Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Geogr%C3%A1fica_Intermedi%C3%A1ria_de_Aracaju, acesso em 20 Jan. 2020. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 20/01/2020: https://web.archive.org/web/20200120034652/https://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Geogr%C3%A1fica_Intermedi%C3%A1ria_de_Aracaju).

Lista de mesorregiões e microrregiões de Sergipe. IBGE 1989. Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_mesorregi%C3%B5es_e_microrregi%C3%B5es_de_Sergipe, acesso em 20 Jan. 2020. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 20/01/2020: https://web.archive.org/web/20190609161810/https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_mesorregi%C3%B5es_e_microrregi%C3%B5es_de_Sergipe).

Memórias da Astronomia em Sergipe. Disponível em: https://memoriasdaastronomiaemsergipe.wordpress.com/, acesso em 20 Jan. 2020.

História da Astronomia em Sergipe. MAS. Disponível em: https://memoriasdaastronomiaemsergipe.wordpress.com/historia-da-astronomia-em-sergipe/, acesso em 20 Jan. 2020.

Censo Brasileiro de Instituições Astronômicas – SERGIPE (2018)

Bandeira de Sergipe
Mapa de Sergipe

1 – CATALOGAÇÃO

1.1 – INSTITUIÇÕES CATALOGADAS: 12
Ativas: 08 (66,66%)
Inativas: 03 (25,00%)
Extintas: 01 (8,34%)

BASE PARA LEVANTAMENTO (ativas + inativas): 11
Ativas: 08 (72,72%)
Inativas: 03 (27,28%)

1.2 – LOCALIZAÇÃO:
Número de Municípios na UF: 75

Municípios com instituições/equipamentos ativos + inativos: 5 (6,66% do Total)

Concentração de instituições/equipamentos
Capital: 4 (36,36%)
Outras cidades: 7 (63,64%)

2 – DISTRIBUIÇÃO

2.1 – DISTRIBUIÇÃO NAS MESORREGIÕES (IBGE 1989) :

– Sertão Sergipano – 2 (18,18%)
– Agreste Sergipano – 1 (9,09%)
– Leste Sergipano – 8 (72,73%)

2.2 – DISTRIBUIÇÃO NAS REGIÕES GEOGRÁFICAS INTERMEDIÁRIAS (IBGE 2017) :

– Aracaju – 10 (90,91%)
– Itabaiana – 1 (9,09%)

3 – TIPOS

OBSERVATÓRIOS: 1 (9,09%)
PLANETÁRIOS: 1 (9,09%)
ASSOCIAÇÕES: 8 (72,73%)
PROJETOS: 1 (9,09%)
OUTROS: 0 (0%)

4 – ESCOLAS PARTICIPANTES DA OBA

Municípios: 25 de 75 (33,33% do total)

5 – OBSERVATÓRIOS

PRIVADOS – 1 (100%)
PÚBLICOS – 0 (0%)

5.1 – PRIVADOS
Pessoais: 1 (100%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

5.2 – PÚBLICOS
Governo Municipal: 0 (0%)
Governo Estadual: 0 (0%)
Governo Federal: 0 (0%)
Universidade Federal: 0 (0%)
Universidade Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)

6 – PLANETÁRIOS

PRIVADOS – 0 (0%)
PÚBLICOS – 1 (100%)

FIXOS – 1 (100%)
MÓVEIS – 0 (0%)

6.1 – FIXOS

PRIVADOS:
Pessoais: 0 (0%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

PÚBLICOS:
Gov. Municipal: 1 (100%)
Gov. Estadual: 0 (0%)
Gov. Federal: 0 (0%)
Univ. Federal: 0 (0%)
Univ. Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

6.2 – MÓVEIS

PRIVADOS:
Pessoais: 0 (0%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

PÚBLICOS:
Gov. Municipal: 0 (0%)
Gov. Estadual: 0 (0%)
Gov. Federal: 0 (0%)
Univ. Federal: 0 (0%)
Univ. Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)
OutroS: 0 (0%)

7 – ASSOCIAÇÕES

PRIVADAS – 4 (50%)
PÚBLICAS – 4 (50%)

7.1 – PRIVADAS (VÍNCULOS)

Pessoais: 3 (75%)
Escolas: 1 (25%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

7.2 – PÚBLICAS (VÍNCULOS):

Escola Municipal: 0 (0%)
Escola Estadual: 0 (0%)
Escola Federal: 1 (25%)
Universidade Federal: 1 (25%)
Universidade Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 2 (50%)
Outros: 0 (0%)

8 – PROJETOS

PRIVADOS – 0 (0%)
PÚBLICOS – 1 (0%)

8.1 – PRIVADOS (VÍNCULOS):

Pessoais: 0 (0%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

8.2 – PÚBLICOS (VÍNCULOS):

Escola Municipal: 0 (0%)
Escola Estadual: 0 (0%)
Escola Federal: 0 (0%)
Universidade Federal: 0 (0%)
Universidade Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 1 (100%)
Outros: 0 (0%)

9 – OUTROS :

MUSEUS – 0 (0%)
LABORATÓRIOS – 0 (0%)
OUTROS – 0 (0%)

PRIVADOS – 0 (0%)
PÚBLICOS – 0 (0%)

9.1 – PRIVADOS (VÍNCULOS):

Pessoais: 0 (0%)
Escolas: 0 (0%)
Universidades: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

9.2 – PÚBLICOS (VÍNCULOS):

Escola Municipal: 0 (0%)
Escola Estadual: 0 (0%)
Escola Federal: 0 (0%)
Universidade Federal: 0 (0%)
Universidade Estadual: 0 (0%)
Instituto Federal: 0 (0%)
Outros: 0 (0%)

10 – CRONOLOGIA DE SURGIMENTO CONFORME AS DÉCADAS:

até séc. XIX – 0
1900 – 0
1910 – 0
1920 – 0
1930 – 0
1940 – 0
1950 – 0
1960 – 0
1970 – 0
1980 – 0
1990 – 1
2000 – 4
2010 – 7
Total: 12

Instituições e equipamentos catalogados:

– Clube Dorense de Astronomia Órion (CDA ÓRION) 
– Observatório Scorpio
– Clube de Astronomia do IFS Campus Lagarto (CAILA) 
– AstroIFS 
– Grupo de Eventos Astronômicos de São Cristóvão (GEASC)
– Planetário da CCTECA Galileu Galilei 
– Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe (SEASE) 
– Grupo de Astrofísica da UFS (ASTROUFS)
– Grupo de Astronomia Johannes Kepler (GAJK)
– Clube de Astronomia do CODAP – UFS
– Tardis – Clube de Astronomia de Estância
– Grupo de Astronomia Singularidade (GAS)

Fontes de busca:
– Site da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA)
– Acervo Astronômico – Edvaldo Trevisan
– Facebook – busca geral
– Orkut – busca geral
– ABP – Associação Brasileira de Planetários
– Clubes e Associações de Astronomia do Brasil – Rodolfo Langhi
– Anuários de Astronomia – 1981 a 2013 – Ronaldo Rogério de Freitas Mourão

Autores do levantamento:
– Saulo Machado
– Cláudio Azevedo
– Vinícius dos Santos
GaeA – Grupo de Apoio em Eventos Astronômicos

______________________________________________________________________

Texto: Reproduzido de GAEA

Fontes: CENSO BRASILEIRO DE INSTITUIÇÕES ASTRONÔMICAS EDIÇÃO 2018 – RESULTADO GERAL. Disponível em: http://gaea-astronomia.blogspot.com/2018/05/censo-brasileiro-de-instituicoes_30.html  , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 14/12/2019:  https://web.archive.org/web/20191215014033/http://gaea-astronomia.blogspot.com/2018/05/censo-brasileiro-de-instituicoes_30.html ).

Censo Brasileiro de Instituições Astronômicas – SERGIPE (2018). Disponível em: http://gaea-astronomia.blogspot.com/2018/05/censo-brasileiro-de-instituicoes_24.html  , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 14/12/2019:  https://web.archive.org/web/20190426215802/http://gaea-astronomia.blogspot.com/2018/05/censo-brasileiro-de-instituicoes_24.html ).

X SEMANA DE ASTRONOMIA DE SERGIPE

Relatório não oficial. Elaborado por Jaelsson.

A X Semana de Astronomia de Sergipe (X SEASE) foi realizada em Aracaju/SE, nos dias 29 de novembro a 01 de Dezembro de 2019. O início das atividades aconteceram  no dia 29 de Novembro com  uma observação com  telescópios em frente a Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju  (CCTACA – Galileu Galilei). Em seguida, houve a abertura oficial do evento na Experimentoteca da CCTECA. Todas as atividades do evento foram realizadas  na Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju. O Encontro contou com a participação de astrônomos amadores e profissionais, estudantes e entusiastas da astronomia e astronáutica de Sergipe.

Figura 1. Cartaz de divulgação

Fonte: Elaborado pela SEASE.

A primeira Semana de Astronomia de Sergipe (I SEASE) ocorreu no período de 30 de Novembro a 3 de Dezembro de 2010, na cidade de Aracaju, na Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju (CCTECA – Galileu Galilei), no estado de Sergipe. A penúltima edição, a IX SEASE, foi realizada em Aracaju/SE, nos dias 29 de Novembro a 02 de Dezembro de 2018, na CCTECA – Galileu Galilei. Relatórios de algumas edições anteriores disponível em: https://memoriasdaastronomiaemsergipe.wordpress.com, no menu: SEASE>EVENTOS>SEMANASEASE.

A “Semana SEASE” surgiu com o objetivo de homenagear o “dia do Astrônomo”, 2 de Dezembro, a data coincide com o aniversário do imperador Dom Pedro II, que era um conhecido incentivador da Astronomia, além disso, é aniversário do Professor Augusto Cesar, sócio fundador da Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe (SEASE). O objetivo da “Semana SEASE” é integrar os grupos de astronomia e desenvolver ações que visem à popularização, o ensino e pesquisa em Astronomia em Sergipe. A carência nesta região, em relação a esta ciência, é conhecida por todos. Os grupos de Astronomia são, em muitos casos, os únicos organismos com os quais a sociedade pode contar para sua difusão. Mas a atuação dos grupos sem apoio institucional tem um alcance bastante limitado. Por isso, os encontros objetivam, também, estreitar os laços entre as associações de astronomia e as instituições que tenham a finalidade de promover a educação e a cultura.

O evento X SEASE foi realizado pela Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe (SEASE) por meio de seu presidente Ivo Matias Campos e demais membros da diretoria e sócios, pela Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju (CCTECA – Galileu Galilei) representada por seu coordenador Augusto Cesar Silva Almeida. Logomarcas das instituições organizadoras, abaixo:

 Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe (SEASE)
Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju (CCTECA – Galileu Galilei)

 A abertura se deu  por volta de 19h30 do dia 29 de Novembro. Augusto César Almeida, representante da CCTECA e da SEASE declarou  como iniciado o evento e deu boas vindas ao público presente e abriu falando sobre o histórico das “Semanas SEASE”, de sua importância, e da programação, além da perspectiva para o transcorrer do evento.

Figura 2: Augusto César Almeida durante o final do  pronunciamento na cerimônia de abertura, na  X SEASE.

Fonte: Arquivo SEASE.

O primeiro dia de evento foi iniciado, às 18h do dia 29 de novembro de 2019, com uma observação com  telescópios da conjunção Vênus/Júpiter/Saturno/ Lua em  frente à Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju, antes do pronunciamento de abertura do evento.

Figura 3: Observações com telescópios em CCTECA – X SEASE

Fonte: Foto tirada por Jaelsson, colaborador da SEASE.

Figura 4: Observações com telescópios em CCTECA – X SEASE

Fonte: Foto tirada por Jaelsson, colaborador da SEASE.

A apresentação da palestra de abertura, logo após o pronunciamento de abertura por Augusto Almeida, iniciou às 19h35, foi proferida pelo sócio da SEASE Enzo Maia, com o tema: “Grupo de Astronomia Singularidade”.

Enzo deu início a apresentação falando da história do Grupo de Astronomia Singularidade (Gás), que foi fundado 16 de maio de 2017 por Vinícius Gama, Gabriel Reis Santana, Brendaw Cardoso e Enzo Rafael Prado Maia Santos (o atual presidente). Ele afirma que a ideia de fundar o grupo surge depois de uma conversa na biblioteca do Instituto de Educação Rui Barbosa (Antiga Escola Normal), que a até então estava o Centro de Excelência Atheneu Sergipense em 2017. O grupo pertence ao Atheneu Sergipense, graças a um projeto implementando na escola em 2017. Um marco para história do colégio, pois foi o primeiro grupo de astronomia implantado oficialmente no mesmo. Sendo o Atheneu a primeira instituição pública de ensino do estado de Sergipe, fundado em 1870. Atualmente o grupo conta com 20 membros. O primeiro equipamento do grupo foi um telescópio de 60 mm, obtido por doação ao grupo. Em 2018, a atividades do grupo se concentrou em atividades de lançamentos de foguetes na primeira amostra de astronomia do colégio. Em 2019, em parceria com SEASE o grupo realizou uma observação solar na II amostra de astronomia. A discussões e estudos do grupo se baseiam  nos livros “Astronomia e Astrofísica” de Kepler de Sousa, “Fascínio no Universo” de Augusto Damineli e João Steiner e “A Teoria da Relatividade Especial e Geral”, Albert Einstein , além dos os canais do Youtube: Ciência todo dia, Space Today,  e Astrotubers. As reuniões do grupo acontece em alguma das salas ou emlaboratórios  na dependências do colégio e sempre na presença de um professor da escola.

Figura 5:Enzo Maia, durante sua apresentação após a cerimônia de abertura  da X SEASE.

Fonte: Foto tirada por Jaelsson, colaborador da SEASE.

Em seguida, às 19h55, foi vez da apresentação do Mestrando em computação e sócio da SEASE Eric Rocha, com o tema“Identificação de Estrelas T Tauri: Uma abordagem de Inteligência Artificial”.

A abordagem desta apresentação foi fundamentada em seu trabalho de mestrado  que está sendo desenvolvido na UFS, na área de computação. Trata-se do uso da inteligência artificial com a técnica baseada em florestas de redes neurais profundas. A linguagem de programação usada é a Python 3.7,  algumas das bibliotecas do python usadas são: numpy, scipy, astropy etc. O palestrante falou das dificuldades que é o projeto e que este está em fase inicial ainda. A proposta do projeto é usar a “inteligência” de robô para identificar padrões e classificá-los futuramente os objetos de estudos.

Figura 6: Apresentação de Reric Rocha  “Identificação de Estrelas T Tauri: Uma abordagem de Inteligência Artificial”, durante a X SEASE.

Fonte: Arquivo SEASE.

Depois da apresentação da palestra, houve uma pausa para o coffee break e assim finalizou-se as atividades do dia.

Figura 7: Foto do coffee break. após o termino da apresentação  com Eric Rocha, finalizando o primeiro dia de evento.

Fonte: Arquivo SEASE

No segundo dia, 01 de Dezembro de 2016, as atividades começaram às 18h30, com uma palestra com o Prof. Dr. Rodrigo vieira (UFS/DFI) sobre o tema: “Estrelas Be: No limite da rotação estelar”.

Nesta palestra a abordagem ficou em torno de Estrelas Be, explorando o que os efeitos rotação pode causar na estrela deste tipo.  Sendo a rotação identificada a partir do efeito. O palestrante ainda mencionou que estrelas do tipo Be também tem uma linha de emissão causada pela presença de gás nos discos da estrela. Esses discos possivelmente foram gerados por conta da rotação na estrela e por se tratar, possivelmente, de um sistema composto por mais de uma estrela.

Figura 8: Palestra com o Prof. Dr. Rodrigo vieira (UFS/DFI) sobre o tema: “Estrelas Be: No limite da rotação estelar” – X SEASE.

Fonte: Arquivo SEASE

Figura 9: Palestra com o Prof. Dr. Rodrigo Vieira (UFS/DFI) sobre o tema: “Estrelas Be: No limite da rotação estelar”. – X SEASE.

Fonte: Arquivo SEASE.

Depois da palestra com Rodrigo Vieira  houve uma pausa para o coffee break.

Figura  10: Foto do coffee break. do segundo dia de evento logo após o termino da palestra com o Prof. Rodrigo Vieira.

Fonte: Arquivo SEASE

Em seguida, às 19h53, houve outra palestra com o Prof. Dr. Diogo Souto (DFI/UFS) intitulada “Exoplanetas, a busca por uma nova Terra”.

Nesta palestra foi apresentado um apanhado sobre diferente métodos de detecção de exoplanetas:  trânsito, velocidade radial,  microlenteamento,  imageamento direto, astrometria etc. Além, de algumas formas como caracterizar atmosferas de exoplanetas, a exemplo de espectroscopia de transmissão. Por último, o palestrante mostrou diferentes exoplanetas que estão dentro ou próximos da zona habitável.

Figura 11: Palestra do Professor Dr. Diogo Souto (DFI/UFS) intitulada “Exoplanetas, a busca por uma nova Terra” – X SEASE.

Fonte: Foto por Jaelsson.

Figura 12: Palestra do Professor Dr. Diogo Souto (DFI/UFS) intitulada “Exoplanetas, a busca por uma nova Terra” – X SEASE .

Fonte: Foto por Jaelsson.

No terceiro dia de evento, finalizando as apresentações da X SEASE, às 18h53, deu início à penúltima apresentação do evento com Aryelle Carvalho, Victoria de Santana, Alexandre Henrique e o Prof. Douglas Leite (CAILA/IFS-Lagarto), com o tema: “Astronomia Itinerante: Acões de divulgação e práticas da ciência astronômica no centro-sul sergipano”

A  abordagem da apresentação foi a apresentação dos resultados que foram obtidos através da aplicabilidade de questionários de conhecimentos básicos da astronomia em diferentes graus de ensino. Foram apresentados o percentual de erros e acertos nos diferentes conceitos abordados, além de comparar os resultados obtidos entre as turmas do 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino médio. Os conceitos sobre Sol-Terra-Lua teve a seguinte assertividade: 31,84% para o 9º ano fundamental e 39,24% para o 3º ano médio; Já os conceitos sobre o sistema solar tiveram a seguinte assertividade: 43,50% para o 9º ano fundamental e 48,75% para o 3º ano médio; enquanto que, os conceitos relacionados a astronomia extra-solar solar tiveram a seguinte assertividade: 47,50% para o 9º ano fundamental e 5437% para o 3º ano médio. Por último, foram apresentadas ações de divulgações científicas realizadas pelo CAILA, a exemplo de observação com telescópio durante a Super-Lua, atividades durante o Asteroid Day, observação solar durante o transito de mercúrio em novembro de 2019, astrofotografias realizadas, além de outras atividades; finalizando com as perspectivas e projetos submetidos para o ano de 2020.

Figura 13: Apresentação da penúltima palestra do evento com evento com Aryelle Carvalho, Victoria de Santana, Alexandre Henrique e o Prof. Douglas Leite (CAILA/IFS-Lagarto), com o tema: “Astronomia Itinerante: Acões de divulgação e práticas da ciência astronômica no centro-sul sergipano”- X SEASE.

Fonte: Foto por Jaelsson

Figura 14: Apresentação da penúltima palestra do evento com evento com Aryelle Carvalho, Victoria de Santana, Alexandre Henrique e o Prof. Douglas Leite (CAILA/IFS-Lagarto), com o tema: “Astronomia Itinerante: Acões de divulgação e práticas da ciência astronômica no centro-sul sergipano”- X SEASE.

Fonte: Foto por Jaelsson

Após uma pausa para coffee break, às 20h02, deu início à última apresentação do evento com a palestrante Thaynara Santos (Bacharelanda em Física – UFS), com o tema: “Asteroid Day 2020: Desafios e Perspectivas”

Nesta apresentação, a palestrante iniciou sua apresentação um vídeo sobre O Meteoro de Cheliabinsk foi provocado por um asteroide que adentrou a atmosfera terrestre sobre a Rússia em 15 de fevereiro de 2013 e deixou mais 900 pessoal feridas, com 5 pessoas em estado grave, além de 1500 casa danificadas por conta da onda de choque provocado pelo meteoro. O vídeo continha “Evento de Tunguska” que foi uma queda de um objeto celeste que aconteceu em uma região da Sibéria, no Império Russo, próxima ao rio Podkamennaya Tunguska em 30 de junho de 1908. A queda provocou uma grande explosão, devastando uma área de milhares de quilômetros quadrados, este último evento foi justificativa da escolha da data para o Asteroid Day, por seus idealizadores: Dr. Brian May (Astrofísico e quitarrista da banda QUEEN) e Danica Remy, presidente da fundação B612, em 2014. Ela mostrou gráficos que mostram a participação do Brasil com eventos  no Asteroid Day em comparação a outros países, além da participação por regiões do nosso país em 2018. No qual o nordeste ficou em segundo lugar, atrás apenas do sudeste. E Sergipe ficou empatado com o Ceará com 6 ações realizadas, na região Nordeste. Tendo a palestrante como coordenadora local naquele ano. Daí, ela comentou o convite e a escolha dela para ser coordenadora nacional do evento em 2020. Ela finalizou a apresentação falando sobre o projeto elaborado, objetivos,  problemáticos e expectativas para sua coordenação em 2020.

Figura 15: Apresentação da última palestra do evento com evento com a palestrante Thaynara Santos (Bacharelanda em Física – UFS), com o tema: “Asteroid Day 2020: Desafios e Perspectivas” – X SEASE.

Fonte: Foto por Jaelsson

Figura 16: Apresentação da última palestra do evento com evento com a palestrante Thaynara Santos (Bacharelanda em Física – UFS), com o tema: “Asteroid Day 2020: Desafios e Perspectivas” – X SEASE.

Fonte: Foto por Jaelsson

Após o final da palestra de encerramento, às 20h37, houve o pronunciamento de encerramento do evento. O presidente da SEASE Ivo Matias agradeceu a todo o público presente pela participação no evento e a todos aqueles que estiveram envolvidos  e colaborou com o evento de alguma forma.

Figura 17: Ivo Matias Campos durante a cerimônia de encerramento da X SEASE, em 01 de Dezembro de 2019.

Fonte: Foto por Jaelsson

Resumo da X SEASE em números:

Participantes:

1º dia: 85 participantes na observação

            25 participantes na palestras (16  homens, 9 mulheres)

2º dia: 45 participantes na palestras (31 homens, 14 mulheres)

3º dia: 15 participantes na palestras (10 homens, 5 mulheres)

6 apresentações de Palestras (Das 6 apresentações 9 pessoas apresentaram, 7 homens e 2 mulheres);

Obs.: Uma das palestras foi apresentada por 4 pessoas (2 mulheres e 2 homens).

Relatório oficial do evento: https://memoriasdaastronomiaemsergipe.wordpress.com/2019/12/14/relatorio-veja-como-foi-a-x-sease/

Versão PDF: Relatório X SEASE_Jaelsson

São Cristóvão, 02 de Dezembro de 2019.

Texto: Jaelsson S. Lima


______________________________________________________________________

Texto: JAELSSON; MAS.

Fontes:  X Semana de Astronomia de Sergipe. SEASE. Disponível em: https://sease.org.br/2019/12/03/como-foi-a-x-sease/ , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 14/12/2019: https://web.archive.org/web/20191214215111/https://sease.org.br/2019/12/03/como-foi-a-x-sease/ ).

X Semana de Astronomia de Sergipe. SEASE. Imagens do evento na Rede Social (FB). Disponível em: https://www.facebook.com/pg/seaseastronomia/photos/?tab=album&album_id=1210797022439536&__tn__=-UC-R, , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 14/12/2019: https://web.archive.org/web/20191214223837/https://www.facebook.com/seaseastronomia/photos/?tab=album&album_id=1210797022439536&__tn__=-UC-R ).

Relatório oficial: Veja como foi a X SEASE

Relatório Oficial do evento. Elaboratado pela SEASE.

No último fim de semana (29 e 30/11 e 01/12) tivemos a realização de mais um evento da SEASE em parceria com a CCTECA. Foi a X SEASE (Semana de Astronomia de Sergipe), que contou com a participação de pessoas ligadas a alguns grupos de astronomia do Estado, tais como, a própria SEASE, o CAILA (Cluba de Astronomia do IFS de Lagarto), o GAS (Grupo de Astronomia Singularidade – Atheneu Sergipense) e professores do Departamento de Astrofísica da UFS (DFI/UFS).

Este ano o formato foi mais condensado que nos anos anteriores, concentrando o evento em três dias de palestras, com uma observação no primeiro dia (sexta-feira), da conjunção Lua/Saturno/Vênus. O evento foi realizado na sala de mecânica da CCTECA.

A ideia primordial da Semana de Astronomia de Sergipe foi integrar grupos que trabalham com a astronomia em nosso Estado, bem como incentivar a formação de novos e a divulgação ao público da ciência astronômica.

Sala de mecânica (CCTECA) onde o evento foi realizado nos três dias
Participantes do evento e curiosos observam a Lua, Satuno, Vênus e Júpiter, nos telescópios da SEASE, em plena calçada do Parque da Sementeira (CCTECA).

Na abertura da sexta-feira o espaço foi dos sócios da SEASE e GAS. Antes, porém, foi realizada uma observação com telescópios para participantes e transeuntes na calçada da entrada da CCTECA. O público pode observar o fenômeno de Conjunção entre a Lua, Saturno, Vênus e também Júpiter.

Sócio Enzo Rafael da SEASE e membro fundador do GAS, conta a trajetória de seu grupo entre 2017 e 2019, no Atheneu Sergipense.
O sócio da SEASE Eric Rocha, mostra um pouco de seu trabalho acadêmico do mestrado na UFS, com o uso de redes neurais em astronomia.

Dando continuidade ao evento no sábado, tivemos, além dos grupos amadores, profissionais e professores do Departamento de Física da UFS, que contribuíram significativamente com duas palestras enriquecedoras.

Professor Dr. Rodrigo Vieira (DFI/UFS), mostra um pouco do seu trabalho na pesquisa de Estrelas do tipo Be.
O Prof. Dr. Diogo Souto (DFI/UFS) traz uma apresentação sobre exoplanetas e a busca por uma ‘nova terra’.

Encerrando no domingo contamos com a participação dos parceiros do IFS/Lagarto, como CAILA (Clube de Astronomia do IFS de Lagarto), coordenado pelo Prof. Msc. Douglas Leite (IFS – Campus Lagarto). Tivemos também a participação da sócia da SEASE, Thaynara Santos, atual coordenadora do Asteroid Day em Sergipe e recentemente escolhida para coordenação nacional do evento.

Os sócios do CAILA: Aryelle Carvalho (Edificações), Victória Santana (Edificações) e Alexandre Cruz (Licenciatura em Física), apresentam às ações do grupo no centro sul sergipano.
A sócia Thaynara Santos (SEASE), mostra ações e perspectivas para o Asteroid day em 2020, recentemente ela assumiu a coordenação nacional do evento.
Entre às palestras, uma pequena pausa para o lanche, e um momento descontraído de tirar dúvidas ou debater os temas apresentados.

Podemos concluir que, após os três dias, o evento, apesar de menor que outros anos, foi um sucesso, pois conseguimos integrar diferentes grupos e trazer variados temas que foram apresentados e debatidos. O público também aprovou a realização da X SEASE, e esperamos realizar no próximo ano um evento ainda maior e mais integrador. Aos que por algum motivo não puderam participar, em 2020 estaremos novamente apostos com a realização da XI SEASE, então até o próximo ano e céu aberto a todos.

______________________________________________________________________

Texto: SEASE.

Fontes:  X Semana de Astronomia de Sergipe. SEASE. Disponível em: https://sease.org.br/2019/12/03/como-foi-a-x-sease/ , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 14/12/2019: https://web.archive.org/web/20191214215111/https://sease.org.br/2019/12/03/como-foi-a-x-sease/ ).

X Semana de Astronomia de Sergipe. SEASE. Imagens da Rede Social (FB). Disponível em: https://www.facebook.com/pg/seaseastronomia/photos/?tab=album&album_id=1210797022439536&__tn__=-UC-R, , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 14/12/2019: https://web.archive.org/web/20191214223837/https://www.facebook.com/seaseastronomia/photos/?tab=album&album_id=1210797022439536&__tn__=-UC-R ).



X Semana de Astronomia de Sergipe (X SEASE)

A Semana de Astronomia de Sergipe, de sigla SEASE (Mesma da instituição que iniciou o projeto), é um evento anual que visa integrar às instituições sergipanas que trabalham direta ou indiretamente com a ciência astronômica. O período de realização é sempre durante o fim de novembro e início de dezembro, aproveitando o dia oficial do astrônomo no Brasil, 02 de dezembro (Data oficializada por conta do aniversário de Dom Pedro II, patrono da astronomia brasileira).

O evento sempre conta com a participação de representantes de instituições profissionais e amadoras, além de atingir um público de estudantes, curiosos e entusiastas. no formato de palestras e apresentações de trabalhos ou projetos, a ‘SEASE’, se tornou bem conhecida no calendário anual de atividades científicas sergipanas.

Este ano em sua décima edição, contamos com a participação de sócios e representantes da SEASE, DFI/UFS, IFS/Lagarto, CDA Órion, GAS/Atheneu, e contribuições individuais de pessoas que sempre nos apoiam.

LOCAL:

Casa Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju – Galileu Galilei (CCTECA)

Parque Augusto Franco (Sementeira) – Aracaju/SE

PROGRAMAÇÃO:

Sexta-Feira – 29/11/2019

18h às 19h30 – Observação com telescópios da conjunção Vênus/Júpiter/Saturno

19h30 às 20h – Apresentação “Grupo de Astronomia Singularidade: A nossa jornada de 2017 a 2019” pelo sócio Enzo Maia.

20h às 20h15 – Pausa para um café e lanche

20h15 às 21h – Apresentação do trabalho do sócio Eric Rocha intitulado: “Identificação de Estrelas T Tauri: Uma abordagem de Inteligência Artificial”.

Sábado – 30/11/2019

18h30 às 19h30 – Palestra com o Prof. Dr. Rodrigo Vieira (DFI/UFS), intitulada: “Estrelas Be: No limite da rotação estelar”.

19h30 às 19h50 – Pausa para um café e lanche

19h50 às 20h50 – Palestra com o Prof. Dr. Diogo Souto (DFI/UFS), intitulada: “Exoplanetas, a busca por uma nova Terra”.

Domingo – 30/11/2019

18h30 às 19h30 – Os estudantes e membros do clube de astronomia do IFS/Lagarto Aryelle Carvalho/Victória Santana/Alexandre Cruz, apresentarão: “Astronomia Itinerante: Ações de divulgação e práticas da ciência astronômica no centro-sul sergipano”

19h30 às 19h50 – Pausa para um café e lanche

19h50 às 20h50 – A sócia da SEASE e Coordenadora do Asteroid Day em Sergipe Thaynara Santos, apresentará: “Asteroid Day Brasil 2020: Desafios e perspectivas.”

Relatórios do evento disponível em: https://memoriasdaastronomiaemsergipe.wordpress.com, no menu: SEASE>EVENTOS>SEMANASEASE>X SEASE/

______________________________________________________________________

Texto: Reproduzido das páginas da SEASE.

Fontes:  X Semana de Astronomia de Sergipe. SEASE. Disponível em: https://sease.org.br/2019/11/23/x-semana-de-astronomia-de-sergipe/ , acesso 14 Dec. 2019. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 30/11/2019: https://web.archive.org/web/20191130065921/https://sease.org.br/2019/11/23/x-semana-de-astronomia-de-sergipe/ ).

VI SEASE (2015)

INSCRIÇÕES AQUI [ENCERRADAS]

A 6ª Semana de Astronomia de Sergipe (VI SEASE), será realizado em São Cristóvão e Aracaju – SE, nos dias 29 de novembro a 4 de Dezembro de 2015. A abertura será no dia 30 de Novembro na Didática VI (ainda faltando confirmação)  da Universidade Federal de Sergipe sendo o restante do evento parte na UFS e outra parte na CCTECA – Galileu Galilei São Cristóvão e Aracaju – SE, respectivamente. No dia 29 de Novembro as atividades iniciam com visita ao planetário da CCTECA (opcional).

A primeira Semana de Astronomia de Sergipe ocorreu no período de 29 a 3 de Dezembro de 2010 na cidade de Aracaju na Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju (CCTECA) – Galileu Galilei no estado de Sergipe.

O objetivo da “SEMANA SEASE” é integrar os grupos e desenvolver ações que visem à popularização, o ensino e a pesquisa em Astronomia em Sergipe. A carência nesta região, em relação a esta ciência, é conhecida por todos. Os grupos de Astronomia, em muitos casos, são os únicos organismos com os quais a sociedade pode contar para sua difusão. Mas a atuação dos grupos sem apoio institucional tem um alcance bastante limitado. Por isso, os encontros objetivam também, estreitar os laços entre as associações de astronomia e as instituições que tenham a finalidade de promover a educação e a cultura.

O conhecimento da astronomia já é previsto nos Parâmetros Curriculares Nacionais do ensino fundamental que tratam das ciências naturais. Afirma-se que a grande variedade de conteúdos teóricos das disciplinas científicas, entre elas, a astronomia, deve ser considerada pelo professor em seu planejamento. Tal conteúdo é requisito para o ensino médio no tocante a um dos temas estruturadores que trata do universo, terra e vida. A Astronomia possui natureza multidisciplinar o que permite a integração dos diversos campos do conhecimento.

Em eventos da natureza da SEASE, temos sempre a oportunidade de expor tanto temas voltados ao ensino de astronomia, observações astronômicas no dia a dia e também temas contemporâneos de interesse mais geral como, por exemplo, exoplanetas.

O encontro entre os astrônomos amadores, profissionais e entusiastas, permite também a troca de experiências didáticas enriquecedoras que poderão ser aplicadas no sistema de ensino publico, seja ele municipal, estadual ou federal, assim como, no privado. Estas associações são um esteio para divulgação da ciência Astronomia nos estados, isto porque, a especificidade dos temas de Astronomia foge ao domínio da maioria dos docentes, não só em nossa região, mas em todo o Brasil.

O objetivo da SEASE é promover um momento de formação, reciclagem, geração e divulgação de conhecimentos em Astronomia a partir da integração entre os grupos de Astronomia de Sergipe, professores e alunos de ciências do ensino fundamental e médio, estudantes de graduação, pós-graduação e pesquisadores, e também pessoas interessadas em Astronomia de forma geral. Tal integração visa divulgar projetos de ensino e pesquisa em Astronomia e ampliar suas ações.

As etapas do evento se dará através de palestras com as pessoas convidadas ligadas à ciência da Astronomia, apresentações orais, será realizada também sessões no planetário da CCTECA, durante a Semana serão realizadas diversas observações (solar e noturna) com telescópios.

SOBRE AS INSCRIÇÕES:

O deposito deve ser feito na conta: 00154110-2; agencia: 1733; operação 013; banco da CAIXA em nome da Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe. Valor da inscrição: R$30,00 (R$45,00 com camisa). Assim que apresentar comprovante de pagamento via email, e for checado em conta, a inscrição será confirmada.

Email da SEASE: sease_astronomia@yahoo.com.br

INSCRIÇÕES AQUI [ENCERRADAS]

____________________________________________________________________

Texto: Reproduzido da página da SEASE.

Fontes: VI Semana de Astronomia de Sergipe. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 22/03/2016 https://web.archive.org/web/20160322160628/http://sease.org.br/vi-sease/).

RELATÓRIO VI SEASE

RELATÓRIO

VI SEMANA DE ASTRONOMIA DE SERGIPE

A VI Semana de Astronomia de Sergipe (VI SEASE) foi realizada em São Cristóvão/SE e Aracaju/SE, nos dias 29 de Novembro a 04 de Dezembro de 2015. No dia 29 de Novembro as atividades iniciaram com visita ao planetário da CCTECA, mas a abertura oficial aconteceu no dia 30 de Novembro no Auditório do departamento de Letras da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Todas as demais atividades do evento ocorridas nos dias 30 de Novembro a 04 foram realizadas na didática VI Sala 104 (UFS) e no auditório de Letras (UFS), no Bairro Jardim Rosa Elze, São Cristóvão/SE. O Encontro contou com a participação de astrônomos amadores e profissionais, estudantes e entusiastas da astronomia e astronáutica de Sergipe e de outros estados do Brasil.

Figura 1: Cartaz de divulgação do evento, elaborado pelo setor da comunicação da SEASE.

A “I Semana de Astronomia de Sergipe (I SEASE)” ocorreu no período de 29 a 3 de Dezembro de 2010, na cidade de Aracaju, na Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju (CCTECA – Galileu Galilei), no estado de Sergipe.

A “Semana SEASE” surgiu com o objetivo de homenagear o “dia do Astrônomo”, 2 de Dezembro, a data coincide com o aniversário do imperador Dom Pedro II, que era um conhecido incentivador da Astronomia, além disso, é aniversário do Prof. Augusto Cesar, sócio fundador da SEASE (Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe). O objetivo da “Semana SEASE” é integrar os grupos de astronomia e desenvolver ações que visem à popularização, o ensino e a pesquisa em Astronomia em Sergipe. A carência nesta região, em relação a esta ciência, é conhecida por todos. Os grupos de Astronomia são, em muitos casos, os únicos organismos com os quais a sociedade pode contar para sua difusão. Mas a atuação dos grupos sem apoio institucional tem um alcance bastante limitado. Por isso, os encontros objetivam também, estreitar os laços entre as associações de astronomia e as instituições que tenham a finalidade de promover a educação e a cultura.

O evento VI SEASE foi realizado pela Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe (SEASE) por meio de sua presidente Hellen Larissa Nascimento Chaves e demais membros da diretoria e sócios, pela Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju (CCTECA – Galileu Galilei) representada por seu diretor Augusto Cesar Silva Almeida, tendo o apoio do Departamento de Física/Astronomia da (UFS), representado pelo Professor Dr. Sérgio Scarano Jr., pelo Instituto Federal de Sergipe (IFS) – Campus Aracaju – representado pela Professora Drª. Elza Ferreira Santos e da Fundação de Apoio à Pesquisas e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (FAPITEC/SE). Logomarcas das instituições organizadoras e apoiadoras, abaixo:

Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe (SEASE)

Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju (CCTECA – Galileu Galilei)

Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Instituto Federal de Sergipe (IFS)

Fundação de Apoio à Pesquisas e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (FAPITEC/SE)

A abertura se deu às 10h40 do dia 30 de Novembro. Autoridades ligadas à organização e realização do evento que compuseram a cerimônia de abertura: o Vice-Presidente da SEASE Jaelsson Lima, a Tesoureira da SEASE Ívina Mittaraquis e o coordenador da CCTECA Augusto Cesar. O Vice-Presidente deu como iniciado o evento e Ívina abriu falando sobre o histórico das “Semanas SEASE”, de sua importância, e da programação e construção da própria “VI SEASE”, além de fazer um apanhado efêmero da SEASE e de sua história. Jaelsson fez uma breve explanação e das expectativas para o decorrer do evento e assim passou a palavra para o prof. Augusto. Augusto começou falando sobre toda a trajetória da astronomia em Sergipe até a criação da SEASE como instituição. O primeiro grupo de Astronomia do estado foi fundado por ele em meados de 1991, enquanto o mesmo era estudante de Física Licenciatura e Presidente do Centro Acadêmico de Física (CAFIS/UFS), onde ficava a também a sede do grupo. O nome era – Grupo de Astronomia Johannes Kepler (GAJK), que se reunia em locais (a exemplo do auditório do CCBS, CAFIS e outros) da própria Universidade para fazer grupos de estudos e divulgação, convidando palestrantes para expor temas relacionados. O grupo também fazia intercâmbio em busca de aprendizado e também divulgando seus trabalhos, com o Grupo de Alagoas, O CEAAL. Em 2001 com ajuda de amigos e colegas, decidiram criar uma entidade permanente e que pudesse levar a Astronomia a todos no Estado. Dessa forma em 10/11/2001 foi criada e registrada a Sociedade de Estudos Astronômicos de Sergipe (SEASE), pelos sócios fundadores Augusto Cesar Almeida, José Alípio Neto, Luiz Eduardo, Clorivaldo Campos e José Maurício de Andrade. Conforme a comunicação do professor Augusto, a Sociedade ficava alojada na casa de uns dos cofundadores “José Alípio” e após sua morte se transferiu e ficou instalada no Esporte Club Cotiguiba até 2009. No mesmo ano com a fundação da Casa de Ciência e Tecnologia da Cidade de Aracaju (CCTECA-Galileu Galilei) passou a atuar em parceria. Durante esse tempo todo de sociedade foram realizados dois eventos em nível nacional, o V Encontro Interestadual Nordestino de Astronomia (V EINA) em 2009 e o XV Encontro de Astronomia do Nordeste (XV EANE) em 2015, além de ter feito de forma mais relevante como pesquisa o trânsito de Mercúrio, de Vênus e o eclipse total do Sol em Rio Grande do Norte (RN). Augusto ainda fez uma importante ressalva para não cometer uma grande injustiça, apesar de ser conhecido por praticamente todos como o fundador da astronomia em nosso estado, ele citou que o primeiro astrônomo amador de Sergipe foi Fernando Figueredo. Para finalizar o mesmo abordou um pouco da astronomia amadora no Brasil citando feitos de contribuições de forma profissional.

Figura 2: O prof. Augusto Cesar durante seu pronunciamento na cerimônia de abertura, na VI SEASE.

A palestra “Um panorama das contribuições e história da Astronomia Amadora: no Mundo, no Brasil e em Sergipe com ênfase na SEASE” com Hellen Chaves (Presidente da SEASE), que estava programada após a cerimônia de abertura foi cancelada, devido a imprevistos, assim, finalizaram-se as atividades do período da manhã.

As atividades retonaram após o almoço, às 14h10, com a oficina da estudante de Física Bacharelado na UFS e tesoureira da SEASE Ívina Mittaraquis, com o tema “Espectroscopia: Construindo seu próprio Espectroscópio!”.

Nesta oficina foi feita uma abordagem das propriedades físicas da luz, explicando os espectros como: contínuo(onde tem vários comprimentos de onda), de emissão (nesse espectro apenas alguns comprimentos de onda estão presentes) e de absorção (tem alguns comprimentos de onda do contínuo removidos), além de explorar os efeitos da luz passando por diferentes filtros. Por fim, foi a hora de colocar a mão na massa e cada participante fez um espectroscópio caseiro, usando os seguintes materiais: tesoura, papel, caneta, régua, CD, fita adesiva, estilete e seguindo os passos e técnicas passadas na oficina.

Figura 3: Apresentação da oficina com a palestrante Ívina Mittaraquis, na VI SEASE.

Depois da oficina, tivemos uma pausa para o coffee break e em seguida, às 16h50, deu inicio o primeiro dia do minicurso com o Prof. Dr. Roberto Saito (DFI/UFS), intitulado de “Astrobiologia”.

No início foi feita umas das perguntas mais fundamentais “o que é vida?” e em destaque para as tentativas de respostas de grandes personalidades da “literatura” em diferentes épocas, a exemplo de Aristóteles, Schrödinger, Carl Sagan, entre outros. Foi abordada ainda a tentativa de detectar vida extraterrestre inteligente pelo projeto SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), foram apresentados também os elementos químicos em que se baseia a vida (elementos biogênicos): Carbono, Hidrogênio, Nitrogênio, Oxigênio, Enxofre e Fósforo. Outra ideia explicada a ideia da Panspermia (onde a vida na terra tenha origem numa contaminação externa). Ainda foi abordada a missão Rosseta, o experimento de Miller Urey com aminoácidos, extremófilos tendo como o exemplo do tardígrado.

Figura 4: Uma das imagens com o Prof. Dr. Roberto Saito (DFI/UFS), no primeiro dia na apresentação do minicurso intitulado: “Astrobilogia”, na VI SEASE.

Figura 5: Outra imagem com o Prof. Dr. Roberto Saito (DFI/UFS), durante sua apresentação no primeiro dia do minicurso intitulado: “Astrobilogia”, na VI SEASE.

O primeiro dia de evento foi finalizado com uma observação com telescópios em frente ao Departamento de Química (DQI) na UFS.

No segundo dia, 01 de Dezembro de 2015, as atividades começaram às 10h03, com a palestrante Profª. Pauline McGinnis (UFMG) com o tema: “Como nascem as estrelas?”.

A abordagem inicial foi sobre o processo de protoestrelas, que possui um objeto central, um disco de poeira, um envelope denso de poeira, um jatos bipolares e são observados apenas no comprimento de onda do infravermelho. Outra abordagem foi sua evolução no diagrama Hertzsprung-Russel (H-R). E o momento angular foi o destaque, já que ele não é conservado como os modelos prevêm. Foram destacados as estrelas T-Tauri e linhas de emissão e absorção de uma estrela tipo o Sol. Acreção magnetosférica, ventos e jatos foram os outros tópicos abordados. Por último as estrelas de Ae/Be de Herbig e formação dos planetas. Enfim, ao elaborar um breve panorama da formação de uma estrela (estrela tipo o Sol), a palestrante destacou que é preciso os seguintes passos: 1- existir uma nuvem molecular, 2- acontecer um colapso gravitacional com certa quantidade de matéria desta nuvem, 3- surgirem em as protoestrelas, 4- evoluírem para as estrelas T-Tauri, 5- estrelas de pré-sequência principal e 6- finalmente a estrela é formada.

Figura 6: Profª. Pauline McGinnis (UFMG), com a palestra intitulada: “Como nascem as estrelas?”.

Figura 7: Profª. Pauline McGinnis (UFMG), tirando dúvidas dos participantes após sua apresentação, na VI SEASE.

As atividades retonaram após o almoço, às 14h, com a palestra muito polêmica e bastante aguardada com o Prof. Dr. Mário Everaldo (DFI/UFS), intitulada “A Teoria do Big Bang está indo pro brejo”.

Nesta palestra foi feito um apanhado de afirmações contrárias a Teoria do Big Bang. A matéria Escura não bariônica de natureza desconhecida deve ser o principal ingrediente principal de todo o Universo, porém até o momento todos os experimentos têm descartados qualquer partícula de Matéria Escura com massa abaixo de 10 GeV. Galáxias que não deveriam existir, pois recentemente astrônomos descobriram galáxias de 13,1 Gy e 13,2 Gy, o que não condiz com a teoria. Resultados recentes contra a Teoria da Inflação, que tem como previsão a isotropia do Universo, porém estudos minuciosos de Barrow e Liddle de 1997 mostram que o universo tem rotação em escala. O satélite Planck mostrou que a Radiação de Fundo tem flutuações anisotrópicas de forma significantes e ainda em 2012 um estudo das direções de rotação de galáxias espirais confirmam a rotação do Universo em larga escala. Dos Resultados recentes contra a energia escura, a constante cosmológica é a ideia principal para a energia escura, porém o parâmetro w da equação de estado do fluido cósmico tem que ser exatamente igual a -1, mas o último resultado do experimento Pan-STARRS encontrou w=-1,186 em estudos de supernovas, o que causa uma grande discrepância na equação de estado. Outro problema questionado foi o da formação de Estruturas muito grandes para terem se formado na escala de tempo da Teoria do Big Bang, de acordo com essa teoria no começo o Universo era quase perfeitamente homogêneo e as estruturas se formaram gradualmente a partir de estrelas, depois galáxias e posteriormente em aglomerados e super aglomerados de galáxias. Porém estruturas cada vez maiores têm sido descobertas referentes a épocas mais antigas, a exemplo de uma enorme estrutura de quasares de tamanho de cerca de 3 bilhões de anos-luz pela equipe de astrônomos liderada por Roger Clowes, o que não corresponde com a teoria. E ainda o pesquisador Eric J. Lerner (cientista americano especialista em “física de plasmas”) as quais mostraram recentemente que se forem levadas em conta as baixas velocidades relativas de galáxias, as grandes estruturas de galáxias teriam sido formadas somente 100 bilhões de anos após o Big Bang. A maior estrutura do universo é formada entre os super aglomerados de Hércules e Corona Borealis e tem cerca de 10 bilhões de anos de comprimento, foi descoberta em 2013 pelo astrônomo Jon Kakkila. Uma estrutura tão grande como essa só poderia ser formada após 200 bilhões de anos, ou seja, não condizente com o modelo atual.

Figura 8: Palestra com o Prof. Dr. Mário Everaldo com o tema: “A Teoria do Big Bang está indo pro brejo”, na VI SEASE.

Figura 9: Professor Dr. Mário Everaldo com o tema: “A Teoria do Big Bang está indo pro brejo”, na VI SEASE

Depois da polêmica palestra, uma pausa para as perguntas e coffee break.

Figura 11: Fotos do coffee break. após o termino da palestra com Mário Everaldo, no segundo dia de evento.

No encerramento do segundo dia, foi a vez da oficina prática “Manuseio de Telescópios e Reconhecimento do Céu”, sob-responsabilidade de Jaelsson Lima (Vice-Presidente da SEASE e do aluno de Física Bac. com Habilitação em Astronomia na UFS) com apoio dos sócios(as): Thaynara Santos, Emerson Amaral, João Victor, Liliane Martins, Ivo Matias e Italo Mello.

Nesta oficina foi feita uma abordagem sobre os tipos de telescópios existentes (Refratores, Refletores e Catadióptricos (Mistos)), introduzindo vantagens e desvantagens em cada tipo. Foi falado também sobre os tipos de montagens (Equatorial e Azimutal), além das propriedades físicas (Aumento, Distância Focal, etc.) e explicações de como fazer um acompanhamento dos astros para cada tipo de óptica e montagem. Por último, foi à vez de colocar em prática as explicações, os participantes colocaram em prática o conhecimento adquirido e fizeram a localização do alvo – adesivo previamente colocado em um local estratégico, já que a oficina era na parte do dia e não permitira fazer com alvos (astros) reais, assim, concretizando o aprendizado da parte física das lentes.

Figura 12: Uma das fotos da oficina prática “Manuseio de Telescópios e Reconhecimento do Céu”, na VI SEASE.

Figura 13: Outra imagem da oficina prática “Manuseio de Telescópios e Reconhecimento do Céu”, na VI SEASE.

No terceiro dia de evento, 02 de Dezembro, às 14h, iniciaram-se as atividades do dia com a palestra do Prof. Dr. Allyson Oliveira (DMA/UFS), cujo tema foi “Configurações Centrais na Mecânica Celeste”.

Nesta palestra a abordagem ficou por conta do problema de N corpos e N massas pontuais, sujeito apenas às forças gravitacionais Newtonianas. Foi feita ainda uma efêmera exploração dos problemas de 2 corpos, de 3 corpos e mais corpos, sendo em alguns deles tendo a solução analítica para caso particulares, a depender das configurações centrais, exceto no caso do problema de 2 corpos, já que sua solução geral analítica é completa. Por fim, o pesquisador usou de simulações por meio de Gifs para melhor visualizar os efeitos geométricos de tais configurações centrais abordadas.

Figura 14: Palestrante Prof. Dr. Allyson Oliveira (DMA/UFS) durante sua apresentação, na VI SEASE.

Figura 15: O Prof. Dr. Allyson Oliveira (DMA/UFS) fazendo a demonstração geométrica durante sua apresentação, na VI SEASE.

As atividades retonaram após a pausa para o coffee break, às 16h44, com o segundo dia do minicurso “Astrobilogia”, com apresentação do Prof. Dr. Roberto Saito.

Neste dia foi retomada a questão dos elementos biogênicos, extremófilos. Outro destaque foi a questão das zonas habitáveis, desde o nosso sistema solar em outras estrelas e até mesmo na própria Galáxia. Foram explorados ainda temas como: supernovas, metalicidades estelares, e busca por vidas no nosso Sistema Solar: a exemplo do planeta Marte e das luas geladas de Júpiter e Saturno – Europa, Enceladus, Titan, etc.

Figura 16: Imagem do Prof. Dr. Roberto Saito (DFI/UFS) no segundo dia da apresentação do minicurso intitulado de “Astrobiologia”, durante a VI SEASE.

O terceiro dia foi encerrou-se com as observações com telescópios em frente ao DQI/UFS.

No quarto e penúltimo dia, 03 de Dezembro, às 10h05, iniciaram-se as atividades com o minicurso do prof. Augusto Cesar (Coordenador da CCTECA), cujo tema foi “Astronomia – do básico ao prático”.

Foi feita uma abordagem dos equipamentos básicos para o astrônomo amador – telescópios, lentes, lunetas, binóculos, tripés, cartas celestes, catálogos (Messier, NGC), programas astronômicos, laser verde, filtros, e outros. Um dos tópicos foi o modo de como observar – estrelas, planetas, luas naturais e satélites artificiais, aglomerados, nebulosas, galáxias, eclipses, cometas, asteroides, meteoros, constelações, etc. foram explorados também as características de estrelas, planetas, luas, cometas e outros corpos celestes.

Figura 17: Minicurso com Augusto Cesar (Coordenador da CCTECA) cujo tema foi “Astronomia – do básico ao prático”, na VI SEASE.

Figura 18: Minicurso com Augusto Cesar (Coordenador da CCTECA) cujo tema foi “Astronomia – do básico ao prático”, na VI SEASE.

No retorno do almoço, às 14h, teve a última etapa das atividades do penúltimo dia da VI SEASE. Na primeira parte, decorreu uma das palestras bastante aguardada, com a Profª Mariana Morais (UFS) junto com o Prof. Wildson Aragão (UFS), com o título: “Clima e Aquecimento na Terra”.

Esta palestra foi proferida a partir de explanação com argumentos biológicos da palestrante e com argumentos físicos do palestrante, o que deixou a palestra bastante dinâmica e rica em conhecimento. Foi feita uma abordagem do nosso ecossistema, e análise da atmosfera através de estudos já conhecidos. Outros pontos abordados foram: a radiação solar e sua influência na Terra, nos oceanos e influência do clima global; o Efeito Estufa e o desequilíbrio do clima – causando impactos ambientais, a exemplo da falta de abelhas na polinização das flores, etc.; o aumento da temperatura média no planeta e como esse crescimento tem se mostrado preocupante nas últimas décadas; o aceleramento da temperatura global de forma acentuada após a revolução industrial. Por último, foram colocados em destaque o aumento do nível dos oceanos nas últimas décadas, o avanço do desmatamento e a consequência disso tudo para Terra e sem deixar de lembrar-se da Conferência do Clima que estava sendo realizada em Paris na França na semana da palestra.

Figura 19: Prof. Wildson Aragão durante sua participação na palestra “Clima e Aquecimento na Terra”, na VI SEASE.

Figura 20: Profª. Mariana Morais durante sua participação na palestra: “Clima e Aquecimento na Terra”, na VI SEASE.

Em seguida, houve uma pausa para o coffee break,logo após aconteceu a última apresentação do Professor Roberto Saito (DFI/UFS) com o minicurso sobre “Astrobiologia”, às 16h30.

Neste último dia de minicurso a abordagem ficou para o tipo de vida que conhecemos, tendo como foco maior os exoplanetas (podendo ser acompanhado suas últimas atualizações em: http://exoplanet.eu/), destacando-se a missão Kepler e informando os principais exoplanetas com potencial de ser habitado. Outros destaques ficaram para telescópios e técnicas, VLT, Subaru, E-ELT (que está previsto para funcionar em 2022) e por último para finalizar o minicurso a abordagem ficou no paradoxo de Fermi e a equação de Drake (equação que diz respeito à probabilidade de existir vidas extraterrestres com o poder de comunicação, em nossa Galáxia).

Figura 21: Imagem do Prof. Dr. Roberto Saito (DFI/UFS) no último dia da apresentação do minicurso intitulado de “Astrobilogia”, durante a VI SEASE.

Figura 22: Imagem após o fim do minicurso de “Astrobiologia”, onde houve um grande debate entre o público com assuntos relacionados ao minicurso apresentado, durante a VI SEASE.

Após o minicurso, houve a última observação planejada com telescópios, em frente ao Departamento de Química (DQI/UFS), assim, finalizaram-se as atividades do dia.

Figura 23: Observações com telescópios em frente ao DQI/UFS em 03 de Dezembro de 2015 na VI SEASE.

Figura 24: Observações com telescópios em frente ao DQI/UFS em 03 de Dezembro de 2015 na VI SEASE.

No último dia do evento, 04 de Dezembro de 2015, às 10h da manhã, ocorreu o último dia do minicurso com Augusto Cesar (Coordenador da CCTECA) cujo tema foi “Astronomia – do básico ao prático”.

Neste último dia de minicurso a explanação ficou com as explicação detalhado dos eclipses, cometas, asteroides, meteoros e meteoritos, constelação, em seguida passou a explorar medidas importantes na astronomia – a exemplo do Parcecs (pc), Unidades Astronomica (u.a) e anos-luz (ly), medidas de ângulos (grau, segundo de arco e derivados). Por fim, dicas de como avaliar um binóculo, um telescópio.

Figura 25: Último dia do minicurso com Augusto Cesar (Coordenador da CCTECA) cujo tema foi “Astronomia – do básico ao prático” na VI SEASE.

Figura 26: Último dia do minicurso com Augusto Cesar (Coordenador da CCTECA) cujo tema foi “Astronomia – do básico ao prático” na VI SEASE

Após o final do minicurso, houve o pronunciamento de encerramento do evento. Os representantes presentes das instituições participantes foram Jaelsson S. Lima Vice-Presidente da SEASE e Augusto Cesar S. Almeida Coordenador da CCTECA e sócio fundador da SEASE. Augusto fez uma homenagem ao Vice-Presidente pelo seu empenho no evento e Jaelsson agradeceu a todos os presentes e àqueles que estiveram na organização do evento desde o inicio e se desculpou por alguns imprevistos que aconteceram na realização do mesmo. Jaelsson ainda acrescentou falando um pouco do evento e da sua importância, sendo assim o mesmo declarou de forma oficial o encerramento de todas as atividades relacionadas e, por conseguinte, a VI SEASE.

Agradecimentos: Nossos profundos agradecimentos a todos aqueles que de forma direta ou indireta contribuíram para a realização da VI SEASE e em especial: À Ívina Mittaraquis pelo seu envolvimento, desde elaboração do evento até o último dia de sua execução, à Dinorah Barbosa pelo grandioso empenho e por ter desperdiçado seu precioso tempo em inúmeras questões burocráticas, à Hellen Chaves que também esteve envolvida no processo de elaboração do evento, a Jaelsson Lima que também foi participativo, à Willian Caires por também ter nos auxiliado, à Guthierre Ferreira do setor da comunicação, por ter elaborado o cartaz do evento, ao Dr. Sergio Scarano Jr. por ser nosso representante na UFS e a todos os palestrantes que aceitaram o nosso convite.

ANEXOS:

Na realização da VI Semana de Astronomia de Sergipe (VI SEASE) fizeram parte da Comissão organizadora: Hellen Larissa S. N. Chaves (Presidente da SEASE), Jaelsson S. Lima (Vice-Presidente da SEASE), Dinorah Barbosa da F. Teixeira (Secretária Geral da SEASE), Ívina Siqueira Perrucho Mittaraquis (Tesoureira da SEASE), Silvio Willian Caires Batista (Secretário de comunicação da SEASE), Guthierre Ferreira Araujo (Sócio da SEASE e do Setor da comunicação), Augusto Cesar S. Almeida (coordenador da CCTECA e sócio da SEASE), Drª. Elza Ferreira Santos (Professora do IFS – Campus Aracaju) e Dr. Sérgio Scarano Jr. (Professor do DFI-Astronomia/UFS).

Resumo da VI SEASE em números:

18 Inscritos (10 homens e 8 mulheres),

12 participantes (7 homens e 5 mulheres) + 25 outros compareceram para nos prestigiar (19 homens e 6 mulheres),

15 palestrantes (10 homens e 5 mulheres),

4 palestras, 2 oficinas e 2 minicursos,

Comissão organizadora: 9 componentes (5 homens e 4 mulheres),

R$ 839,35 foram todos os gastos contabilizados.

Obs.: Uma das palestras foi apresentada por 2 pessoas (1 homem e 1 mulher) e uma das oficinas foi apresentada por 7 pessoas (5 homens e 2 mulheres).

Outras informações relacionadas:

Nosso site: http://sease.org.br/

Página do evento no Facebook: https://www.facebook.com/visease

Nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/sease.astronomia

Nosso canal oficial no Youtube: https://www.youtube.com/c/SeaseAstronomia

Nossa página no Twitter: https://twitter.com/sease_astro

Versão PDF do Relatório da VI SEASE: RELATÓRIO VI SEASE (No W.M. RELATÓRIO VI SEASE)

São Cristóvão, 23 de Dezembro de 2015.

Revisores do texto: Profª. Drª. Elza Ferreira, Prof. Augusto Cesar e Dinorah Barbosa.

Texto: Jaelsson S. Lima

____________________________________________________________________

Texto: Reproduzido da página da SEASE.

Fontes: VI Semana de Astronomia de Sergipe. (Conteúdo arquivado no Wayback Machine em 03/05/2016 https://web.archive.org/web/20160503041929/http://sease.org.br/relatorio-vi-sease/).